Petróleo a Caminho dos 20USD o Barril!

Petróleo – A Arábia Saudita dificultando o caminho para as empresas com o alto custo de produção; a caminho dos 20USD o Barril!

No mundo desenvolvido, ao contrário da realidade aqui no Brasil, o preço dos combustíveis acompanha o preço do petróleo no mercado internacional. Por esta razão em muitos países do mundo o preço da gasolina e diesel ao consumidor final neste momento se encontra com valores de 10 anos atras.

O motivo por trás disto é óbvio com o barril do petróleo (Brent) rompendo a barreira dos 28USD na última semana tivemos sua menor cotação em 13 anos. A trajetória ao longo dos últimos 15 anos desta commodity tem sido conturbada pois ainda em 2004 alcançou sua máxima historia em 115USD o Barril (Brent) e o céu parecia o limite para este ativo escasso. No entanto a bonança teve fim e desde então as cotações vem ladeira abaixo em uma queda contínua.

Diversos fatores permitiram que este quadro piorasse ao longo do tempo, mas e naqueles mais recentes que nos damos conta que não existem barreiras neste momento para impedir a continuidade deste movimento de desvalorização para níveis nunca imagináveis. Com o fim das sanções ao Irã e com o a Arábia Saudita tendo abandonado o papel de estabilizador da cotação (através de restrições a produção), o mundo está afogado na sobreoferta de Petróleo neste momento segundo a Agência Internacional de Energia.

Isso rapidamente foi precificado pelo mercado financeiro afinal 4 trilhões USD em valor de mercado sumiram no setor do petróleo só neste início de ano. Ao preço de 30USD semana passada em Davos o presidente da Aramco (Maior Petrolífera e Empresa de Energia do Mundo) declarou ser irracional a cotação estar naquele nível. Com este valor em mente nos damos conta que momentos difíceis se anunciam para os produtores que exploram campos de petróleo com custo mais elevado de extração e poucos vão conseguir manter a produção.

Perguntado sobre o interesse da Arábia Saudita em fragilizar a produção global de alto custo, dependente de tecnologia cara, o Ministro do Petróleo da Arabia Saudita negou que o Reino trabalhe neste sentido, mas avisou que não estavam dispostos a ceder participação de mercado tão pouco para os mesmos.

Muitos questionam o potencial destes players expostos ao derretimento do valor do barril de sobreviverem a um período prolongado de crise. Os campos do Pré Sal no Brasil e de Gás de Xisto nos EUA e Canadá são bons exemplos de apostas que estão ameaçadas pois o forte investimento recente na exploração endividou muitas empresas do setor como a própria Petrobras, e a perspectiva de não ter retorno no investimento ameaça a nota de credito de forma geral pois o risco de default passa a existir principalmente para os pequenos.

Acredito que vamos presenciar momentos dramáticos ao longo deste ano para diferentes players deste mercado e também para as economias com forte dependência dos recursos ligados ao petróleo.