Por que o interesse pelo trading está crescendo tanto?

As operações de Day Trade, prática de compra e venda de ações em um mesmo dia, ganharam as notícias e as redes sociais nos últimos meses. 

O interesse pela modalidade vem aumentando significativamente, como explica o nosso professor Alexandre Castro. “Em fevereiro de 2021, haviam 3,5 milhões de CPFs na B3. Era algo na casa de 700 mil em 2018, e deu esse pulo para 3,5 milhões. Apenas o mês de fevereiro, sozinho, registrou 120 mil novos investidores,” ressalta. 

Segundo Alexandre, o número ainda é pequeno, se comparado à população brasileira (ainda corresponde a 1.5%), e se comparado aos Estados Unidos, onde se tem uma cultura forte de investimentos em renda variável. “Mas acredito que aqui no Brasil isso ainda é algo que vai crescer muito.”

Mas afinal. Ao que se atribui esse aumento exponencial? Alexandre destaca três fatores principais. 

O primeiro deles é a facilidade tecnológica. Hoje, basta ter um notebook com internet e uma conta na corretora (que custa entre R$30 e R$50 reais) que garante acesso à plataforma, para que a pessoa saia fazendo trades. Ou seja, é muito fácil começar. 

Outro motivo é a possibilidade de rentabilizar capital. E há ainda a busca por uma renda extra, especialmente por causa da crise e do desemprego provocados pela pandemia. Muitos têm buscado outras possibilidades, e o trading se apresentou como uma delas. “Lembrando que para ser day trader pode sim, ser qualquer pessoa com acesso à internet e conta na corretora, qualquer um está capacitado para essa função. Mas para ser um day trader consistente não é tão simples. Deve-se estudar muito, buscar conhecimento constante, ser disciplinado. Que é a receita do sucesso para qualquer segmento: entender do negócio. Além, é claro, de ter um bom gerenciamento de risco e sangue frio (controle emocional). O principal, e isso eu digo sempre, é respeitar o mercado,” afirma Alexandre. 

Este assunto será tema do próximo texto do blog. Acompanhem!