Trading é sorte ou competência?

Trading é sorte? Ou os resultados obtidos por um trader são frutos do seu próprio trabalho? Essa é uma questão que aparece com frequência, especialmente entre investidores iniciantes. Afinal, a aleatoriedade do Mercado Financeiro pesa mais do que a análise e o desenvolvimento de um operador?

 

Não é fácil responder esse tipo de pergunta porque existe muita subjetividade. No entanto, alguns fatores ajudam a tentar entender os comportamentos do mercado e perceber que a sorte existe sim, mas especificamente no curto prazo. Com o passar do tempo, é a competência quem dita o ritmo desse jogo.

 

Você concorda? Discorda? Então vamos seguir com o artigo para discutir alguns desses pontos que nos fizeram chegar nesta conclusão.

É possível prever o Mercado Financeiro?

Essa discussão se o trading é sorte ou competência acaba sendo pautada na imprevisibilidade da economia e, consequentemente, do Mercado Financeiro.

 

É fato de que não há como prever o Mercado Financeiro. Ninguém sabe o que vai acontecer amanhã. E, se você ver alguém garantindo que algum índice de uma determinada Bolsa de Valores vai bater “x” pontos ou que a cotação do dólar em relação ao euro irá superar sua máxima histórica, não passa de um mero palpite.

 

Isso acontece porque o ambiente econômico é, por si só, imprevisível. Este texto está sendo escrito em 2020, ano marcado pelo surgimento do Coronavírus, uma epidemia global que afetou fortemente o sistema financeiro do mundo. Em nenhum tipo de análise macroeconômica era possível prever que isso aconteceria, pois, esse ano era encarado como amplamente positivo para a renda variável.

 

Não que isso impeça um trader de atuar e lucrar. A principal vantagem dessa abordagem é justamente tentar ganhar dinheiro tanto em momentos de alta, como também em momentos de baixa (vendendo ativos a descoberto e depois recomprando-os após uma queda no preço).

 

Se por um lado é impossível garantir o que acontecerá amanhã em termos econômicos, não é tão difícil assim supor o que será provável. E, na maior parte das vezes, estar a favor do que tem mais chances de acontecer trará mais acertos do que erros. É isso que prega um conceito importante: o valor esperado.

O valor esperado e o trading

O valor esperado é um conceito bem importante no Mercado Financeiro. Ele defende que as operações e os investimentos devem ser feitos na direção de algo que tem maiores chances de acontecer do que aparenta inicialmente. E a melhor chance de entender isso é usando o exemplo do lançamento de uma moeda.

 

Suponha que você faça um acordo comigo. A cada vez que der cara, eu te dou dez reais. Se der coroa, aí é você quem me paga dez reais. Dentro da aleatoriedade do lançamento de uma moeda, a chance maior é de que infinitos lançamentos acabem em 50% a 50% de maneira que nenhum de nós lucrará com essa disputa.

 

Agora, e se eu propuser que eu te pague quinze reais a cada vez que o lançamento terminar em cara, enquanto você me pagará apenas os dez iniciais em caso de coroa. Fica mais vantajoso, não? É porque agora você está em vantagem nas probabilidades. E é isso que um trader buscará no Mercado Financeiro: estar a favor de oportunidades com maior chance de acontecer.

 

Desta forma, se ele identifica que um determinado ativo apresenta tendência de alta, pode comprá-lo para vender após a realização da sua expectativa. Ou, como já adiantamos, realizar o processo inverso quando identificar uma tendência de queda.

Trading: sorte no curto prazo, competência no longo prazo

Não estamos querendo dizer que não exista certa aleatoriedade no Mercado Financeiro. Ela existe. Você pode identificar uma tendência de alta e, por qualquer motivo, alguma notícia abalar fortemente os operadores e reverter. Ou mesmo errar na sua análise inicial, fazendo com que o ativo não se mova na direção esperada.

 

Contudo, essa aleatoriedade é muito focada no curto prazo. A operação de hoje pode ter sim, sem dúvidas, um peso considerável da sorte. Imagine, apenas como exemplo, que você precisa estar todos os dias no seu trabalho às 9h00. Para chegar lá, você sabe que demora vinte minutos. Assim, é prudente que saia de casa até 8h30 para não ter sustos.

 

Mesmo com essa cautela, em algum dia pode ocorrer um trânsito intenso ou um acidente causado pela chuva. E, como consequência, naquele dia em específico, você terá o azar de se atrasar mesmo aplicando a técnica correta na sua movimentação entre casa e trabalho. Contudo, será exceção. Em outros 99% das vezes, você chegará a tempo.

 

O Mercado Financeiro apresenta a mesma lógica que acabamos de apresentar com um exemplo simples do cotidiano. Ou seja, você pode identificar uma boa operação e, por qualquer motivo, o mercado não corresponder ao que você projetou. Faz parte. Só que, no longo prazo, pesará muito mais a sua capacidade de encontrar boas oportunidades.

 

Ou seja, o acaso é temporário. Você pode fazer más escolhas e, por sorte, elas gerarem lucro. Da mesma forma, excelentes oportunidades podem obrigá-lo a encerrar uma posição com prejuízo. É justamente por isso que todo trader deve olhar para o longo prazo. O seu trade de hoje tem (ou deveria ter) pouco peso para o sucesso durante um ano inteiro de operações.

Afinal, trading é sorte ou competência?

A ideia deste artigo foi discutir a influência da sorte no seu trading. Ela existe, mas tem um impacto pouco relevante pensando no longo prazo. Neste caso, o que realmente fará a diferença nos seus resultados serão a sua capacidade profissional de encontrar boas oportunidades.

 

Um cuidado a se tomar é reclamar da sorte apenas quando uma operação que parecia interessante não vai a seu favor. Um trader deve saber que ele está a favor do mais provável. Com paciência, disciplina e gerenciando o seu emocional (além do capital usado em cada operação, obviamente) será natural encontrar bons resultados.

 

Na prática, a sorte tem um peso praticamente irrelevante no trabalho de um trader. Confiar nisso apenas trará uma transferência de responsabilidade. Para evitar esse equívoco, tente analisar cada operação de maneira imparcial. Independente do seu resultado financeiro. Veja se a entrada no mercado foi boa ou se foi ruim. O aprendizado de cada experiência, em muitos casos, vale mais do que o lucro.