Uma história sobre Karate Kyokushin e o mercado financeiro

Alexandre Castro, trader e professor da Unitrader, tinha apenas 17 anos quando foi para o Japão passar alguns meses treinando Karate Kyokushin, esporte que praticava desde a infância. “Quando cheguei lá, na primeira luta do treino, estava de frente para um japonês, de um metro e meio de altura. Eu, que sempre fui alto, entrei sem respeito pelo cara, desprezei. Quando a luta começou, não vi nem de onde, veio um chute do lado esquerdo do meu rosto. Depois, do lado direito. Levei dois chutes, sem nem poder reagir, exclusivamente porque eu faltei com respeito, não achei que seria um desafio lutar com ele”, relembra. 

O professor costuma contar essa história quando fala sobre o mercado financeiro, porque de alguma forma, as duas coisas se conectam. “Depois que eu entendi que ele não tinha tamanho físico, mas era mil vezes mais preparado que eu. Mais tarde, eu vi qual era o treinamento dos japoneses,” diz. “Tem muitos iniciantes no mercado financeiro que têm sorte e começam a ganhar dinheiro. E ganhar dinheiro nas primeiras operações é a pior coisa para um iniciante. Justamente porque ele perde o respeito.”

Os iniciantes com sorte começam a achar que vão sempre ganhar, que ficarão ricos, que “o mercado não é nada”. “E logo em seguida vem a pancada, tipo o chute do japonês. O mercado é cruel. E aí sim a pessoa cria um medo do mercado. Mas não se deve ter medo, e sim, respeito por ele. Toda vez que a gente não respeita algo há a probabilidade de se dar mal”, alerta. 

Alexandre diz que não ter respeito pelo mercado significa não entender que do outro lado há gente muito mais treinada e experiente. “Então, respeito. Medo, jamais. Quando você fica com medo, algumas substâncias do organismo vão te travar e talvez você veja a operação e saiba o que fazer, mas não faz. Medo é o sentimento que não pode ter do mercado, pois ele te coloca barreiras psicológicas. O primeiro passo, então, é este. Entender que o mercado é muito maior do que você. E não fazer isso é o que leva tantas pessoas a perderem dinheiro.”