Vale a pena investir em CFDs?

Vale a pena investir em CFDs?

Dentro do Mercado Financeiro, existe uma gigantesca variedade de ativos que um operador pode usar para suas negociações. Um deles é o que se chama popularmente de CFD. Mas, afinal, do que se trata esse ativo? Como um trader pode negociá-lo e tentar a obtenção de lucro? Vale a pena investir em CFD?

Essas são dúvidas frequentes sobre um ativo que, de fato, tem alto potencial de valorização. Ao mesmo tempo, como é uma relação presente no mundo das finanças, esse retorno potencial anda em conjunto com o risco. Vamos entender mais sobre esse ativo e se ele pode ou não fazer parte das suas operações.

O que é CFD?

CFD é uma abreviação para Contracts for Differences (ou, se preferir em português, “Contratos por Diferença”). Essa modalidade de ativo é classificada como um derivativo e funciona como um acordo de negociação futura entre um comprador e um broker (corretor) em relação a um determinado ativo.

Em outras palavras, você não vai comprar um ativo, mas sim negociar um contrato com a sua corretora. Esse contrato pode ser de compra ou venda e, de acordo com a opção selecionada, você passa a ter interesse na valorização ou na desvalorização do ativo em questão.

O objetivo desse investimento é, portanto, lucrar com a variação de preço do ativo em foco na negociação que pode ser uma ação, um índice, moedas e até mesmo commodities. Trata-se, essencialmente, de uma operação de trading em que o trabalho está na oscilação do valor entre o momento de compra e venda do instrumento.

O funcionamento é muito semelhante ao que acontece nos contratos futuros. De acordo com a sua expectativa em relação ao Mercado Financeiro como um todo, você pode comprar ou vender CFDs. O lucro ou prejuízo dependerá diretamente do comportamento do ativo objeto ao longo do período acordado na celebração do Contrato por Diferença.

Quais as vantagens de operar CFDs?

Agora que você já entendeu o funcionamento desse derivativo, será que vale a pena investir em CFDs? Para chegar em uma conclusão, precisamos antes passar pelas vantagens e desvantagens desse tipo de operação. Vamos começar apresentando os principais benefícios.

O primeiro deles e, talvez, aquele que mais atrai traders pelo mundo é a possibilidade de investir em ativos com um valor financeiro consideravelmente abaixo do que seria caso você fosse comprá-los efetivamente.

No caso de ações, por exemplo, o valor de compra pode ser até 10 vezes menor do que a aquisição dos papéis em si. Desta forma, trata-se de uma alternativa extremamente acessível para quem não possui grandes quantias de capital em carteira. 

Além disso, outro ponto positivo é a alavancagem. Isso significa que, com um pequeno valor (chamado de margem de garantia), você pode operar com quantias significativamente maiores. Aqui, vale a ressalva de que essa prática também oferece maior risco e, portanto, deve ser utilizada de maneira consciente.

Como já vimos anteriormente, os CFDs permitem tanto a compra, como a venda de contratos relacionados a um ativo. E o que isso significa na prática? Boas oportunidades de negociação tantos em momentos de alta, como em momentos de baixa do Mercado Financeiro.

E quais as desvantagens de operar CFDs?

Assim como todos os ativos, os CFDs não vivem apenas de vantagens. E um dos seus pontos de atenção é justamente o risco. A volatilidade dos Contratos por Diferença não é, necessariamente, ruim. É isso que permite retornos atrativos em curtos intervalos de tempo.

Contudo, para quem ainda não domina as operações do Mercado Financeiro, o potencial lucro pode fazer com que o trader se esqueça do outro lado da moeda, isto é, a possibilidade de obter altos prejuízos, especialmente por meio da alavancagem.

Um dos reflexos disso está sobre o emocional dos operadores. Ao entrar com muito dinheiro em uma operação de CFDs, você pode facilmente entrar em pânico com perdas elevadas. É, portanto, muito importante entender o funcionamento deste instrumento antes de qualquer ação de compra ou venda.

Por fim, uma das vantagens dos CFDs é a possibilidade de vender a descoberto um ativo objetivo (ou seja, vendê-lo primeiro para, posteriormente, comprá-lo). Se isso permite a exploração do Mercado Financeiro em momentos ruins, também não há limites para perdas: o preço pode crescer infinitamente. Trata-se de mais um ponto de atenção.

Afinal, vale a pena investir em CFDs?

Finalmente, depois de toda essa contextualização sobre os Contratos por Diferença, podemos focar na pergunta central do nosso artigo: afinal, vale a pena investir em CFDs? A resposta depende diretamente do seu perfil de investidor e, ao mesmo tempo, dos objetivos atuais com as suas operações financeiras.

Em primeiro lugar, os CFDs são instrumentos excelentes para quem busca alavancar o capital, mas ao mesmo tempo oferecem um alto risco. É preciso que você tenha em mente essas duas situações para ponderar até que ponto vale a pena arriscar nesse derivativo e, principalmente, quais as quantias de capital que você está disposto a perder nesse processo enquanto trader de Contratos por Diferença.

Por outro lado, essa é uma excelente forma de quem deseja operar em determinados mercados (como em ações de grandes empresas ou matérias-primas específicas, por exemplo), mas ainda possui uma quantia de capital limitada. Como mencionamos, é possível operar com ativos caros por valores substancialmente mais baratos, tornando a renda variável mais acessível de um modo geral.

Por fim, justamente por todo esse cenário que envolve os CFDs, você deve ainda buscar o máximo de informação sobre o Mercado Financeiro. Vale lembrar que os resultados em operações dessa categoria dependem do comportamento do ativo objeto. Assim, para entender se o melhor é buscar uma operação de compra ou venda, você deve ter uma análise precisa do cenário econômico.

Se ainda é um iniciante na renda variável, mas gostou da ideia de comprar CFDs, o ideal é separar uma pequena parcela do seu capital e realizar testes. Verifique o Mercado Financeiro, entenda como funciona a variação dos preços e, principalmente, como você se sente em relação às rápidas variações dos preços. Essa, afinal, é a melhor forma de iniciar suas operações com CFDs e entender na prática como eles funcionam.