O que é Liquidez?

O que é Liquidez?

Se você ainda está começando no mundo dos investimentos, sabe perfeitamente como existem diversos termos e palavras específicas no Mercado Financeiro. Embora não seja algo tão complexo assim de dominar após algum tempo, no início é comum que elas causem confusão e até mesmo algum receio para as primeiras operações.

Uma dessas palavras é a liquidez que, afinal, está presente em diferentes tipos de ativos. Você pode ouvi-lo tanto para operações agressivas de renda variável, quanto para investimentos simples de renda fixa — até mesmo na caderneta de poupança.

Para eliminar qualquer tipo de dúvida a esse respeito, vamos entender de uma vez por todas o que é a liquidez e como ela deve influenciar a sua tomada de decisão sobre diferentes formatos de ativos.

O que é liquidez?

De maneira técnica, liquidez é a capacidade que um determinado ativo apresenta de ser convertido em dinheiro rapidamente. Em outras palavras, trata-se da velocidade com que você consegue se desfazer dele sem a necessidade de assumir prejuízos.

Sabemos que a definição do que é liquidez por si só pode não esclarecer muita coisa, especialmente caso não esteja tão acostumado com os termos do segmento. Não se preocupe: vamos trazer exemplos muito simples a partir de agora.

Para isso, pense no modelo mais simples possível de investimento do Brasil: a caderneta de poupança. Você pode aplicar e resgatar quase que no mesmo segundo para a sua conta principal e a sua conta da poupança. Isso representa uma liquidez gigantesca: a qualquer momento é possível “vender” o seu ativo e receber o dinheiro de volta, sem dificuldades.

Isso representa o exemplo máximo de liquidez, algo que é benéfico pensando na negociação financeira. Repare que, neste ponto, estamos falando apenas da facilidade e da velocidade do resgate, mas não sobre rentabilidade. Ou seja, por mais que a poupança esteja longe de ser um bom investimento, ela inegavelmente tem excelente liquidez.

Por outro lado, pense agora em um imóvel. É muito mais difícil de fazer essa conversão, concorda? Você pode até vender rapidamente, mas a regra é de demora neste prazo. Por vezes, pode ser necessário aguardar meses ou anos para conseguir receber o dinheiro por essa modalidade de ativo.

Em outras palavras, pode-se dizer que a poupança é um ativo com muita liquidez, enquanto que o imóvel apresenta liquidez extremamente baixa.

Qual é a importância da liquidez de um ativo?

Ao avaliar diferentes formatos de ativos, você deve sempre considerar a sua liquidez antes de fazer uma compra ou um investimento. Isso porque ela é um dos fatores de risco e, afinal, ela deve ser compensada com algum tipo de benefício caso seja baixa.

Esse benefício pode ser uma rentabilidade melhor, por exemplo. Assim, o risco de não conseguir resgatar o dinheiro rapidamente acaba compensado pela oportunidade de ganhar mais dinheiro em um determinado período.

Não que seja proibido operar com ativos com baixa liquidez, mas eles devem estar de acordo com a estratégia que vai ser executada. Imagine, por exemplo, que você queira trabalhar com Day Trade no Mercado Financeiro. Ou seja, a ideia é comprar e vender ativos de renda variável rapidamente, aproveitando da oscilação de preços.

Para essa estratégia é extremamente importante que você opere com ativos que tenham excelente liquidez. Isso porque, caso contrário, pode surgir uma dificuldade na hora de encerrar a operação — algo que acaba prejudicando totalmente o método escolhido.

Por outro lado, se a ideia é comprar ações e explorar seus dividendos ao longo do tempo, a situação é diferente. Você, neste caso, não tem pressa em se desfazer do ativo e, portanto, essa característica não é tão fundamental assim.

Liquidez, rentabilidade ou segurança? Qual é melhor?

A liquidez também faz parte, juntamente com a rentabilidade e com a segurança, do trio de características que fazem a composição de um ativo. É claro que, em um cenário ideal, quem não gostaria de contar com os três em uma mesma operação?

Uma compra segura, com boa rentabilidade e que pode facilmente ser resgatada é o sonho de qualquer operador. No entanto, essa é uma situação praticamente impossível e, neste caso, é preciso escolher no máximo duas delas.

E, nessa escolha, não há certo ou errado, mas sim aquilo que você tem por objetivo com um investimento. Se a ideia é o longo prazo, por exemplo, a liquidez não deve pesar tanto na sua tomada de decisão. Entretanto, para o curto prazo, ela é fundamental. Pense sempre nos seus objetivos para fazer boas escolhas no Mercado Financeiro.