Vale a pena operar índices no Mercado Financeiro?

O Mercado Financeiro oferece uma série de ativos que podem ser negociados pelos operadores. Um deles são os índices globais, os quais funcionam como uma espécie de carteira fictícia envolvendo uma série de ativos. No entanto, será que vale a pena operar com índices? Quais são as principais vantagens?

Se você tem esse tipo de curiosidade ou gostaria de ampliar seus ativos de trabalho, siga a leitura, pois vamos abordar este tema com maiores detalhes.

O que são índices?

Os índices são, como mencionamos, ferramentas que visam a formulação de uma carteira fictícia envolvendo um pacote de ativos. Normalmente, esses ativos são selecionados de acordo com fatores como valor de mercado e liquidez.

Imagine, por exemplo, o índice S&P 500. Esse é um pacote de ações com as 500 principais companhias da Bolsa de Valores dos Estados Unidos (valendo tanto para as empresas listadas na NYSE, como na NASDAQ).

Para os investidores de longo prazo, esses índices oferecem uma oportunidade de rápida diversificação. Já para os traders, nosso foco neste artigo, eles permitem uma nova forma de ganhar dinheiro por meio da valorização de preço.

Vale destacar que, geralmente, os índices são marcados em pontos ao invés de valor financeiro. No entanto, a lógica é a mesma de outros ativos: ele pode crescer ou diminuir sua pontuação de acordo com os papéis que compõem a sua carteira. Assim, você pode comprar ou vender o índice, tentando lucrar com a variação global dos ativos.

Como é possível negociar índices no Mercado Financeiro?

Para negociar os índices, geralmente os investidores utilizam a sua versão de Índice Futuro, que nada mais é do que uma projeção de aumento ou queda da pontuação do indicador. De acordo com os fenômenos da economia, a perspectiva futura para cada um deles pode crescer ou cair.

No Mercado Financeiro, a principal forma pela qual os investidores podem operar índices é por meio dos mini-contratos. Esse instrumento é um acordo de compra e venda de um ativo em data futura. No caso dos índices, ele passa a ser chamado de mini-índice. Os traders podem lucrar com as variações.

Além disso, os índices podem ser estruturados em operações de CFDs (Contratos por Diferença), algo que explicamos melhor neste artigo.

Quais as vantagens de operar índices?

Existem algumas razões pelas quais os traders gostam de usar os índices globais em suas operações. A seguir, listamos algumas delas.

  • Alavancagem: um dos grandes atrativos das operações com índices é a possibilidade de usar alavancagem. Ou seja, você pode operar com um capital maior do que possui disponível em sua corretora. Os riscos precisam ser entendidos, mas não deixa de ser uma oportunidade interessante.
  • Liquidez: os índices são ativos que oferecem grande liquidez para o trader operar. São, afinal, pacotes das principais ações globais e, portanto, acabam sendo muito utilizados por diferentes perfis de trading — inclusive por investidores de longo prazo.
  • Custo reduzido: assim como ocorre com CFDs, a operação com índices é mais barata do que se você resolvesse comprar as ações individualmente. Sendo assim, acaba por ser uma economia que se reflete no resultado da operação.
  • Exposição de mercado: ao operar com ações, você acaba demasiadamente exposto (positiva ou negativamente) ao comportamento do mercado sobre aquela empresa. Nos índices, a exposição é para uma indústria completa. Sendo assim, o movimento dos preços é um pouco mais simples de entender.
  • Volatilidade: apesar da menor exposição setorial, os índices oferecem uma excelente volatilidade. E isso é ótimo para o trader na medida em que acelera a movimentação de pontuação, algo que permite entrar ou sair do mercado com maior velocidade.

Afinal, vale a pena operar índices no Mercado Financeiro?

Agora que você já conhece os fundamentos principais de operar índices, talvez esteja se perguntando se vale a pena usar desse ativo nas suas posições no Mercado Financeiro. E sim, vale muito a pena trabalhar com os índices globais.

Isso acontece pelas vantagens oferecidas por essa classe de ativos. Como já vimos, apesar da sua excelente volatilidade (e, lembre-se, ela é parceira do trader), a exposição setorial é reduzida. Ou seja, você tem excelentes potenciais de lucratividade na mesma forma em que consegue reduzir os riscos.

Por outro lado, esse é um formato de trabalho que pode apresentar altos ganhos e perdas em curtos intervalos temporais. Portanto, é essencial que você entenda bem os riscos do ativo para adequar a sua gestão de capital e o seu controle emocional.

Caso queira aprender mais sobre operar com índices ou outras estratégias do Mercado Financeiro, você está convidado para o nosso treinamento gratuito ABC do Trading. Nele, abordamos mais a fundo esses e outros temas sobre a rotina de um trader.