Como os padrões harmônicos funcionam no trading?

Quem opera em day trade já deve estar familiarizado com os chamados padrões harmônicos. No entanto, estar familiarizado não é sinônimo de saber retirar tudo dessa ferramenta, não é mesmo?

O reconhecimento dos padrões nem sempre é simples e exige do trader estudo aprofundado da matéria e certa experiência no mercado. Mas ainda que se trate de um tema “espinhoso”, garantimos que vale a pena dedicar tempo para conhecer mais a fundo os padrões harmônicos, pois isso pode lhe garantir um salto formidável em seus resultados. 

Pensando nisso, preparamos neste artigo tudo o que você precisa saber sobre padrões harmônicos. Falaremos sobre seu conceito, como identificá-los e quais são os principais tipos. Continue a leitura e saiba mais.

O que são padrões harmônicos?

Os padrões harmônicos nada mais são que aferições conhecidas como níveis de Fibonacci.  Esses marcadores matemáticos, geralmente representados em proporções, são utilizados para apontar linhas de suporte e resistência de ativos negociados no Mercado Financeiro. 

Você já deve ter se deparado com outras aplicações das sequências de Fibonacci, que normalmente são vistas em representações do desenvolvimento organismos vivos, em obras de arte ou em qualquer outro tipo de expressão considerada harmoniosa.

E além de chamarem atenção aos olhos de quem vê, os padrões harmônicos também funcionam como métricas confiáveis para prever movimentos nos preços – aplicação que se tornou comum na economia. 

A dinâmica dos padrões harmônicos acontece quando a variação dos preços de um ativo atinge os marcadores de Fibonacci, oscilando para cima e para baixo em movimentos de retrações e extensões. Tomando os marcadores como parâmetro, essas movimentações dos preços adquirem certa previsibilidade. 

Você ainda precisa saber que os padrões harmônicos apresentam quatro movimentos de preços a partir de um ponto de partida, X. Identificando quais são eles, você pode planejar seus tradings, de modo a reduzir riscos, abrindo posições somente quando as chances de perdas forem mínimas.

Quais são os tipos de padrões harmônicos?

Vejamos, agora, quais são os principais tipos de padrões harmônicos e como identifica-los.

AB=CD

  • o padrão AB=CD é uma estrutura de em que cada “perna” representativa da variação é equivalente. Ou seja, tem o mesmo comprimento;
  • os números de Fibonacci neste padrão ocorrem em pontos específicos. Em um AB=CD considerado ideal, o ponto C deve estar sobre a retração de 0.618 ou 0.786;
  • a retração em questão configura a projeção BC, que deve levar ao fechamento de AB=CD na projeção de 1.27 ou 1.68;
  • feita essas considerações, você precisa saber que a projeção BC deve convergir para perto da conclusão do AB=CD.

Gartley

  • o chamado  padrão “The Gartley” foi descoberto por H.M. Gartley em seu livro “Profits in the Stock Market”, publicado em 1935.
  • Embora não seja um método diretamente associado aos números de Fibonacci, o padrão é aplicado na identificação dos pontos B e D;
  • no Gartley, as retrações de Fibonacci que produzem as reversões mais confiáveis são o 0.618 no ponto B e o 0.786 no ponto D. Além disso, o padrão deve possuir um distinto padrão AB=CD que convirja para a mesma área da retração de 0.786 de XA e da projeção de BC (ou 1.27, ou 1.618). 

Buterfly

  • o padrão “BUTTERFLY” foi descoberto por Bryce Gilmore e Larry Pesavento;
  • esse padrão deve incluir um padrão AB=CD para ser um sinal válido. De forma recorrente, o padrão AB=CD apresenta a perna CD estendida, que é 1.27 ou 1.618 da perna AB;
  • embora o ponto destacado no tópico anterior seja um requisito importante para um sinal de negociação válida, o aspecto mais crítico é a perna XA, cujo é geralmente complementado por uma projeção extrema (2.00, 2.24, 2.618) de BC;
  • esses indicadores criam uma específica Potencial Zona de Reversão (PRZ) que pode render poderosas reversões, especialmente quando o padrão está em todos os tempos (novas máximas/novas mínimas) e níveis de preços.

BAT

  • o padrão BAT é um padrão harmônico preciso descoberto por Scott Carney em 2001;
  • esse é um padrão que incorpora a retração de 0.886 da perna XA como o elemento definidor na Potencial Zona de Reversão. Tal retração que acontece do ponto B deve ser sempre inferior a 0.618, preferencialmente o 0.50 ou 0.382 da perna XA;
  • o BAT utiliza uma mínima projeção de 1.618 de BC. Além disso, o padrão AB=CD dentro do BAT é prolongado e geralmente requer um cálculo de 1.27 do AB=CD;
  • esse é um padrão reconhecido por sua alta precisão e, em função disso, demanda um menor stop loss em relação a maioria dos padrões.

Agora que você já foi introduzido aos padrões harmônicos e seus principais tipos, vale conferir nossa série de vídeos sobre tema. Nesse conteúdo, você poderá acompanhar uma abordagem aprofundada sobre os tópicos aqui abordados e visualizar, na prática, como tudo funciona.